A-Consultoria-Organizacional

No dia 26 de junho será comemorado internacionalmente o Dia do Consultor, por sugestão do ICMCI (International Council of Management Consulting Institutes) e acatado no Brasil pelo IBCO (Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização), o seu braço brasileiro há mais de 40 anos. Cada vez mais os Consultores de Organização são aqueles a quem chamo de “médicos” ou “personal trainers” das pessoas jurídicas. São “médicos” quando atuam em organizações com alguma patologia (mais ou menos graves) e podem ser considerados “personal trainers” quando atuam em organizações que desejam excelência em sua performance, muito mais, portanto, do que a mera saúde.

Infelizmente, muitas empresas, empresários e empreendedores ainda desconhecem as diferenças conceituais entre termos como “auditoria”, “assessoria”, “consultoria” e muitos ainda mantêm uma visão desgastada e desacreditada de nossa profissão, exatamente devido a comportamentos de alguns colegas que, no passado, fizeram muita besteira no mercado!

Minha história de vida profissional sempre teve conexão com a consultoria. Mesmo quando eu ainda atuava como funcionário da Indústria (de 1981 até 1990) eu sempre tive funções muito assemelhadas à atividade de assessoria/consultoria e por isto posso dizer que configura realmente a minha maior paixão. Consultor não pode ser considerado um cargo da estrutura hierárquica de uma empresa nem tampouco é um título que pode ser conquistado nos bancos acadêmicos. É uma atividade profissional que se exerce a partir de muito estudo, muitos erros que justificam aprendizados relevantes, e muita aplicação da competência contingencial!

A Consultoria em si tem conceitos bastante diferentes quando comparados a “Assessoria” ou “Auditoria”. Todas estas palavras estão contidas nos modelos de prestação de serviços que podemos rotular como “o mercado da ajuda organizacional”.

Auditoria é um modelo de ajuda organizacional conduzido por profissionais especializados que executam comparações do que existe na empresa (práticas de gestão e atitudes da força de trabalho) com o que deveria existir, adotando diversos parâmetros para fazer este trabalho comparativo (normas, leis, diretrizes, regulamentos, portarias, etc.) de forma que qualquer desvio encontrado é reportado ao cliente da auditoria. Muitos mercados proíbem que empresas especializadas em Auditorias atuem também nas atividades de Consultoria / Assessoria por configurarem, na grande maioria das vezes, como atividades com conflitos de interesse explícitos (um auditor teria interesse em diagnosticar desvios que ele mesmo pudesse resolver com suas atividades de consultoria / assessoria).

Assessoria é outro modelo de ajuda organizacional conduzido também por profissionais especializados que implementam sistemáticas que normalmente a empresa, ou não sabe implementar, ou não tem tempo para implementar ou não vê vantagens em priorizar por conduzir com força e competência própria a implementação. A característica diferente da Assessoria com a Consultoria é que a primeira é contratada por demanda, ou seja, uma empresa sabe exatamente o que precisa (ou acha que precisa) e a partir desta convicção (nem sempre perfeita e adequada) procura assessores/assessorias para fazer com excelência aquilo que precisa ser feito. Exemplo: Uma empresa chega à conclusão que precisa de certificação ISO 9001:2015 e contrata alguém (um assessor ou uma empresa de assessoria) para fazê-lo; uma empresa precisa vender mais e contrata alguém para implementar sistemáticas que viabilizem esta necessidade.

A atividade de Consultoria é um pouco mais complexa, pois consiste numa evolução da atividade de Assessoria! Um consultor não pode ser contratado para fazer isto ou aquilo uma vez que se parte do pressuposto de que, se a empresa já sabe o que precisa ser feito, a demanda será por assessoria e não por consultoria. A Consultoria consiste em ser capaz de diagnosticar problemas com excelência, para depois resolvê-lo por meio das mais diversas competências, algumas disponíveis dentro da própria organização e outras que exigirão as assessorias especializadas para serem implementadas.

As atividades de Assessoria/Consultoria são executadas pelos mesmos profissionais ou pelas mesmas empresas, mas podemos dizer que nem todo Assessor é Consultor embora todo Consultor tenha alguma especialidade de Assessoria.

Pela minha experiência de mais de 25 anos neste mercado existe, basicamente três tipos diferentes de assessoria / consultoria, a saber:

  • A Solucionadora – A primeira a atuar no Brasil na década de 70/80. Seu sistema de vendas é o de marcar reuniões com o maior executivo, não somente porque ele detenha do poder decisório, mas preponderantemente, porque ele é o personagem que menos conhece a sua própria empresa (são tantos os níveis hierárquicos entre ele e a operação propriamente dita que é impossível que ele a conheça como realmente é) e, portanto, o mais influenciável a achar que possam, os consultores da empresa de consultoria, solucionar-lhe algum problema em específico. Não tem nenhuma especialidade, mas em contrapartida, anda carregado de uma série de cartas de referências de outras organizações pelas quais passou com depoimentos de serviços relevantes para melhoria do desempenho, nesta ou naquela área. Depois de um processo de diagnóstico organizacional encontram um problema que efetivamente está dentre as especialidades de assessoria das quais dispõem;
  • A Tecnológica – Trata-se de consultoria/assessoria, normalmente ligada a centros de pesquisa vinculados a universidades e institutos de ponta na pesquisa científica e é desenvolvida por cientistas mesmo. Desenvolvem trabalhos relacionados ao desenvolvimento de novas tecnologias, nos mais variados segmentos, e trabalham, geralmente, mediante solicitação de alguma empresa em específico ou de segmentos empresariais mais genéricos. Dedicam-se anos para atingir resultados substanciais e incluem aplicação de técnicas avançadíssimas de informática e matemática de ponta, além de recursos laboratoriais extremamente sofisticados e de infraestrutura caríssimas, exigindo o envolvimento do governo de países para subsidiá-las ou até pertencem efetivamente ao estado;
  • A Instrumental – O tipo de consultoria/assessoria que nós, da GAUSS, adotamos, pois configura um esforço preponderante para fornecer metodologias para diagnóstico de problemas integrados e sistemáticas de solução que sejam passíveis de auto condução pela força de trabalho da organização depois de certo tempo. Trata de atividade que não visa somente resolver os problemas das organizações em geral, mas em oportunizar sistemáticas integradas e refinadas de gestão que sejam capazes de aprender como um organismo vivo e inteligente.

Hoje em dia as atividades de consultoria/assessoria instrumental estão cada vez mais populares, imprescindíveis e viáveis para a grande maioria das organizações de quaisquer segmentos e tamanhos, no entanto, infelizmente, muitos contratantes ainda mantêm o mito de que este tipo de serviço caracteriza algum tipo de incompetência interna e de que tudo poderia ser conduzido internamente ou de que o investimento não vale o benefício.

Para encerrar, devo dizer a todos os empresários e empreendedores brasileiros: contrate consultoria/assessoria instrumental especializada e quando fizer, consulte o IBCO (www.ibco.org.br) para saber de quem se trata; cheque sua competência contingencial e não contrate apenas pessoas experientes de algumas poucas empresas. Os países e empresas mais bem-sucedidos do mundo não prescindem deste tipo de ajuda, pelo contrário o fazem recorrentemente!

Orlando Pavani Júnior
Diretor Presidente da GAUSS Consulting Group